Escleroterapia Espuma

O tratamento com espuma nas varizes dos membros inferiores é o mesmo que “aplicação ou secagem de vasinhos”. Não necessita de jejum para realizá-lo, nem de repouso após o tratamento. Ambos são feitos em algumas sessões. A diferença é que, como a espuma é realizada em vasos de maior calibre, a potência do esclerosante tem que ser maior para poder fazer “sumir” as veias maiores. E é isso que faz a espuma: ela aumenta a potência do esclerosante.

Apesar do uso da espuma ser relatado desde 1939, a técnica hoje utilizada é a de Tessari, desenvolvida em 2000 e que produz uma espuma com a qualidade ideal e que influencia no resultado final do tratamento.

Após o procedimento, o paciente deverá permanecer por alguns minutos em repouso e logo após será colocada a meia elástica, que ela deverá usar pelo tempo recomendado. O uso da compressão com a meia elástica é muito importante no resultado final do tratamento, inclusive para minimizar o risco de hiperpigmentação. São realizados controles de ultrassom dias após cada sessão de espuma ecoguiada.

A distância entre uma sessão e outra são de algumas semanas, o que torna o tratamento mais demorado de acordo com a quantidade e o tipo de veia a ser tratada, mas os resultados da espuma, quando bem indicados, tem muitas vantagens em relação à cirurgia convencional.

Assim, a espuma ecoguiada é um dos procedimentos existentes atualmente para tratamento de varizes. É importante lembrar que não existe uma técnica de tratamento de varizes melhor que a outra, elas na verdade se complementam. Por isso, siga sempre as orientações do seu Cirurgião Vascular.